Quando eu acompanho o trabalho de algum artista sempre acabo me perguntando o que, dentre todas as qualidades dele, me fazem sempre voltar para aquele instagram, tumblr, site ou página.

No trabalho da Carol Rossetti o que mais me chama atenção é o storytelling, o modo como ela conta tanto em um único quadro.

Fonte: Carol Rossetti

No final do ano passado, quando ainda estava no Collant (Sem Decote), recebi da Carol o kit promocional do seu Catarse Assinaturas. Mas antes disso, porque eu já acompanhava o trabalho dela pelo Instagram, eu já estava apaixonada pelos personagens da sua nova história. Não que ela tivesse dito no Instagram que aquelas aquarelas era, na verdade, pinturas dos personagens de Vento Norte, mas porque mesmo sem saber disso eu já ficava admirada com o que aqueles quadros queriam me contar.

A primeira a chamar minha atenção foi a do personagem Ravi. Ele nem foi o primeiro a ganhar uma aquarela, mas o algoritmo do instagram é doido e foi o primeiro que eu vi.

Fonte: Carol Rossetti

O dizer do quadro ao fundo, o violão, as artes coladas com durex, o copo na janela, a foto em que ele parece dançar – até o sorriso aberto parecem querer me dizer alguma coisa sobre quem é esse personagem. É como se a personalidade dele estivesse representada naquele quadro. 

Esse cuidado com o que envolve o personagem no quadro é visual storytelling, ou “contar uma história com imagens”. Assim como um roteirista ou escritor vai ter lá a sua ficha de personagem, com características físicas, personalidade e história pregressa, Carol pode até ter tudo isso também, mas consegue com maestria contar a essência daquele personagem na aquarela.

Vento Norte é o primeiro e principal projeto do Catarse Assinaturas da Carol. Em suas próprias palavras:

“Quando uma pessoa morre, fica um buraco. Um buraco que pode ser maior e mais fundo, dependendo de quantas outras vidas essa pessoa tocou. Vento Norte começa com o buraco deixado por alguém que partiu. E que buraco enorme.

Quando Anna morreu, o menino Ravi se recusou a acreditar que isso pudesse ter acontecido e teve certeza de uma conspiração. Liot, por sua vez, era adulto demais para duvidar, mas não o suficiente para deixar passar que havia várias partes estranhas da história que não se encaixavam. Aliara não via muitos furos na história, mas não deixaria seu irmão sozinho nessa investigação. Já Nina só queria respostas para um pacote misterioso que chacoalhou o seu cotidiano. E Bot estava quietinho na dele até ser levado por uma enxurrada de problemas que não eram seus.

Este grupo peculiar de pessoas vai buscar algumas respostas. Mas antes de encontrarem o que procuram, novas perguntas vão surgir. Afinal, nem todo mundo está acostumado com tatuagens que se mexem ou viagens para lugares estranhos através de telefones analógicos. E nunca se sabe o que o vento norte pode trazer…”

 

Se você segue a Carol no instagram teve a oportunidade de acompanhar um pouco da história do quadrinho, já que ela lançou o projeto ao longo do seu Inktober de 2017. Se você ainda não segue, sem problemas, os quadros continuam por lá!

Eu sempre soube que o trampo da Carol é incrível, mas além do storytelling Vento Norte me trouxe um outro lado que eu ainda não tinha visto:

Fonte: Carol Rossetti
Fonte: Carol Rossetti
Fonte: Carol Rossetti

Talvez porque eu mesma havia colocado o trampo da Carol em um quadradinho de “não é esse tipo de arte”, mas esse quadrinho me fez querer Vento Norte pra ontem. Não que eu não estivesse curiosa sobre o projeto antes, mas o fator bizarro e inesperado dele me deu um pico de curiosidade. Essa curiosidade só aumentou quando eu continuei acompanhando o trampo e depois de ler um pouco mais sobre o projeto mesmo.

Se você não sabe como funciona o Catarse Assinaturas, sem problemas: assim como qualquer outro sistema de financiamento ele consistem em você escolher dentre vários valores e dentre várias formas de pagamento, a diferença é que este é um valor que vai ser cobrado mensalmente.

Você pode estar se perguntando:

Mas porque um financiamento coletivo mensal e não apenas quando o Vento Norte estiver finalizado e pronto para lançar?

Fonte: Carol Rossetti

Primeiro porque não é só sobre o Vento Norte, é sobre apoiar continuamente o trabalho de uma artista independente para que ela possa fazer… arte. A Carol sempre vai ter um projeto permanente (sketches semanais) e um Projeto do Momento (Vento Norte).

A maioria dos artistas independentes brasileiros não vive de fazer quadrinho, esse é aquele sonho maravilhoso, saca? E muita gente não vê, mas fazer quadrinhos é também um rolê profissional, foram anos estudando e aperfeiçoando para que a gente consiga apreciar a histórias que estão sendo contadas por essas pessoas.

Ao decidir apoiar mensalmente o trampo de uma artista você está permitindo que ela desenvolva esse trabalho com mais tranquilidade, sem precisar, por exemplo, se atolar de freelas para bancar as horas em que trabalha no projeto autoral. Em retorno você recebe acesso a conteúdo exclusivos, novidades e até sorteios.

Caso você queira apoiar a Carol Rossetti, é só ir até o Catarse Assinaturas dela e selecionar o valor e a forma de pagamento desejadas. É super rápido, simples e muito legal! 🙂

Fonte: Carol Rossetti

O nosso plano é sempre trazer projetos novos de financiamento coletivo, sejam eles contínuos ou por projeto. Então fica ligado nas próximas semanas!

Até mais! 😉