Francis é uma história em quadrinhos feita pela quadrinista italiana Jessica Cioffi, mais conhecida como Loputyn. A história acompanha Melina, uma bruxa que está a poucas horas de passar por um teste que vai definir como será sua posição entre o grupo de bruxas do qual faz parte. Melina sabe que não vai conseguir, pois não se preparou para isso. De última hora, ela decide invocar um espírito para ajudá-la, e é aí que Francis surge, tomando a forma de uma raposa. Mas as coisas não funcionam bem do jeito que Melina esperava.

A Darkside Books mandou uma cópia do quadrinho para a gente. Esta crítica não possui spoilers da história.

A arte de Loputyn é linda, com aquarelas que combinam com o estilo da história que está sendo contada. Assim como a magia de Melina e das outras bruxas, a arte vai se mesclando com outras imagens, misturando elementos visuais e encantando o leitor. A parte visual não é a única que precisa ser boa para fazer uma história em quadrinhos funcionar, mas com certeza é muito satisfatório ver um quadrinho em que a parte visual é tão bem feita.

Melina é o tipo de pessoa que deixa as coisas para a última hora, que se dá por vencida antes da hora e é até um tanto quanto irresponsável. Algumas pessoas ao seu redor conseguem perceber que ela é mais do que isso, mas Melina só quer aproveitar o dia. Ainda assim, ela tem receio de não conseguir passar em seu teste, por isso acaba chamando o espírito de Francis para ajudar.

Ele tem os seus próprios objetivos. Assim como Melina, Francis tem uma natureza de tentar aproveitar o momento, não necessariamente fazer o que precisa fazer. Ao invés de ajudá-la de uma forma mais positiva, Melina e Francis percebem o quão parecidos são, e encontram forças um no outro.

O quadrinho é uma história que fala sobre amadurecimento, sobre pessoas que não possuem intenções malignas, mas que cometem erros mesmo assim e precisam encarar suas decisões. Mesmo que as consequências venham de uma forma que pareça cruel, e que aos olhos do leitor até pareça que há algumas injustiças, é só a vida agindo, com suas ações e reações.

Por mais que Francis não seja exatamente o que Melina imaginava quando pede ajuda, eles se ajudam de outra forma. Ambos são personagens particularmente solitários, que as pessoas só vêem o exterior e tiram as suas próprias conclusões. Por mais que ambos sejam personagens passíveis de errar, eles também são personagens julgados por inúmeros motivos, e esse julgamento não é honesto com o que eles realmente são. Eles precisam um do outro para entenderem que existe alguém que vai entendê-los.

Francis não é uma fantasia mostrando o bem contra o mal, a história quer mostrar personagens complexas em situações com tom de cinza, mostrando o crescimento de Melina. O final conclui o acontecido no quadrinho, mas poderia muito bem estar dando espaço para uma nova aventura.

O quadrinho já está disponível na Darkside Books e é uma ótima dica para os fãs de fantasia, histórias com bruxas e de autoconhecimento.