Nesta semana, a #copypastecris foi muito usada no Twitter, não só por usuários de fora do país, mas também por brasileiros. A escritora brasileira, Cristiane Serruya, que publica livros de romance em inglês, foi acusada de plágio. A acusação, que no começo era de um livro, se mostrou um caso muito maior e mais complicado do que parecia a princípio.

Nesta terça-feira, a escritora Courtney Milan, best-seller da Amazon, postou no seu site e também em seu twitter sobre Cristiane Serruya plagiar seu livro The Duchess War. De acordo com a postagem, o plagio teria sido feito no livro da brasileira chamado Royal Love, onde há trechos inteiros copiados da obra de Milan. A postagem original está em inglês aqui, onde podemos ver passagens inteiras copiadas.

A princípio, Serruya negou as acusações, dizendo que não tinha copiado o trabalho de ninguém. Mas algumas pessoas começaram a olhar em outros trabalhos, procurando por plágios, e nessa a escritora Tessa Dare viu que seu livro, A Week to be Wicked, também tinha sido copiado. A autora Lynne Graham também entrou para a lista de quem tinha sofrido plágio.

Quando a questão estava ficando muito maior do que o esperando, Cristiane Serruya tweetou antes de apagar sua conta:

Acabei de acordar com a notícia que meu trabalho tem plágio de outros autores. Eu estou tirando do ar todos os trabalhos que fiz com o ghostwriter do fIVERR — QUE INCLUSIVE FECHOU A CONTA — ATÉ TER CERTEZA DE QUE O ASSUNTO ESTÁ RESOLVIDO

Além de tudo isso, Serruya tinha inscrito um de seus livros acusados de plágio no RITA Award, uma premiação de livros de romances. Ela também era jurada de alguns livros. O twitter oficial da premiação anunciou que retirou o livro acusado de plágio da competição, além de ter passado os livros que seriam avaliados por Serruya para outros autores.

Muitos debates foram levantados nas redes sociais por causa dessa notícia, inclusive sobre autores que usam ghostwriters. Independente da opinião das pessoas sobre contratarem ghostwriters, há coisas que devemos levar em consideração aqui.

É muito fácil jogar a culpa no ghostwriter e não assumir o problema. Um autor contrata um ghostwriter e nem ao menos lê o que foi escrito? Não checa para ver se o trabalho está bem feito ou contém plágios? Porque mesmo que Serruya não escreva os próprios livros, ela os publica com o seu nome, então ela tem uma responsabilidade na obra.

Plágio é um problema muito sério. Sim, às vezes vemos coisas e começamos a criar, só depois percebendo que há muitos elementos em comum com outras obras. O que é diferente de escrever uma obra – ou deixar ela ser publicada – com trechos inteiros copiado de não só uma, duas ou três outras histórias, mas mais de 20 livros.

O trabalho de escritores já é bem desmerecido por si só, crescer nesse mercado é uma luta, por isso é frustrante ver quando outros ganham dinheiro, ou até competições, com trabalhos plagiados.