Todo ano somos agraciados com a única coisa me importa no Superbowl: os trailers do meio de tempo. Como eu entendo pouco e tenho nenhum interesse em Futebol Americano, aqui a gente vai falar apenas sobre os trailers que tradicionalmente saem durante o intervalo.

Como a gente teve um monte de trailer novo e, pra mim, muitos deles deixaram muitas emoções (não necessariamente positivas), fiz a listinha de acordo com o teor “WTF” de cada um.

 

8. Jurassic World: Fallen Kingdom

Fizeram um trailer sem a única razão pela qual eu vou assistir esse filme: Jeff Goldblum.

Fator WTF: NAO TEM JEFF GOLDBLUM AND IT SUCKS. 

7. Red Sparrow

Não interessa o que o diretor do filme diga, esse é o trailer do filme que Viúva Negra podia ter tido. Parabéns, Joe Quesada. ¬¬

Fator WTF: É um filme da Viúva Negra só que não é. 

6. Skyscraper

Esse é um filme onde The Rock é casado com Sidney Prescott, tem uma perna mecânica e precisa escalar um prédio para salvar a esposa e os filhos. Eu preciso de mais do que um trailer.Onde eu assisto?

Fator WTF: The Rock é casado com Neve Campbell, tem uma perna mecânica e precisa escalar um prédio para salvar a família. 

5. Westworld

Trailer para a segunda temporada de Westworld vem com a sensação de “nossa, isso podia ter acontecido no terceiro episódio da primeira temporada”.

Fator WTF: Finalmente a revolta das máquinas que me prometeram. 

4. Tom Clancy’s Jack Ryan

Jim, um tímido porém sagaz, trabalhador de escritório vê sua vida mudar da noite para o dia quando– Mentira. John Krasinski, aka Jim do The Office, encarna Jack Ryan, personagem de Tom Clancy que já foi interpretado por Chris Pine, Ben Affleck, Aleck Baldwin e Harrison Ford. A série é um lançamento Amazon Prime e eu honestamente não sei nem se eu me importo, nem o que esperar.

Fator WTF: Porque diabos tudo que esse homem fez tem que vir com o nome dele no título. Argh. 

3. Han Solo – A Star Wars Story

Vocês sabem, eu amo Star Wars. Mas a real é que até hoje eu não entendo porque diabos estão fazendo esse filme. Eu vou aceitar a chance de ver Donald Glover dentro do universo? Obviamente que sim. Mas gente, a juventude de Han Solo aconteceu DURANTE A PRIMEIRA TRILOGIA. Se esse fosse um filme sobre a adolescência de Han, eu entenderia o apelo para um público mais jovem. Mas honestamente. Nup.

A única coisa desse trailer que me deixou animada foi:

Eu vou assisitir na pré-estréia? Vou. Mas porque eu sou otária. Eu posso estar errada e o filme ser incrível e eu morrer de amores como em Rogue One? Sim. Mas acho que não. Veremos.

Fator WTF: Eu não sei porque esse filme existe.

2. The Cloverfield Paradox

O Paradoxo Cloverfield está aqui só porque ele também foi exibido ontem, mas a real é que você já pode assistir ao filme no Netflix – ele ficou disponível hoje pela manhã. O lançamento foi tão surpresa que até ontem de noite a página do IMDB do filme ainda mostrava o nome anterior da produção, God Particle.

Cloverfield é aquele tipo de universo construído em cima de muito pouco mas que, por saber equilibrar orçamento e qualidade, se mantém até hoje. Precedido por Cloverfield (2010) e Rua Cloverfield, 10 (2016), o filme parece abordar os eventos que levaram até a chegada do monstro gigante em Nova Iorque e a consequente destruição da cidade e do país. Eu adorei Rua Cloverfield, 10, mesmo sem ter assistido ao primeiro filme.

O Paradoxo Cloverfield é dirigido por Orenn Uziel, produzido por JJ Abrams e tem elenco e equipe bastante diverso. O filme traz Gugu Mbatha-Raw, David Oyelowo, Ziyi Zhang, Chris O’dowd e mais um bocado de ator legal. Pulo pro topo da minha lista de prioridades? Pulou.

Fator WTF: A gente mal sabia que existia e BAM! Tá na sua lista do Netflix.

1. VINGADORES: GUERRA INFINITA PARTE I

O ESCUDO DO CAPITÃO. O HOMEM-ARANHA TIRANDO A MÁSCARA. O VISÃO. WAKANDA. A NATASHA. TODOS OS MEUS SENTIMENTOS. EU JA POSSO SENTIR O GOSTO SALGADO DAS LÁGRIMAS QUE VÃO ESCORRER PELO MEU ROSTO ME SOCORRE.

Fator WTF: Foi, ao mesmo tempo, muito curto e muito longo. Dor. 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorO QUE EU ESPERO DE DRAGON AGE 4?
Próximo artigoCrítica | A Forma da Água
Roteirista com uma tendência em transformar qualquer documentário sobre abacate em uma space-opera feminista.