Azul é a Cor Mais Quente é uma obra que já deu muita discussão, este texto não deve ser exceção. Portanto, acho interessante começar falando que eu não shipo e acho uma representação um tanto quanto complicada. Explicarei ao longo do texto.

Como sempre, este texto tem spoilers dos quadrinhos e do filme.

As histórias possuem algumas diferenças entre si. Clementine, a protagonista, vê uma moça de cabelo azul e começa a perceber que se sente atraída por ela. Quando vai em um bar LGBT+, acaba encontrando Emma, a moça do cabelo azul. No dia seguinte, Emma vai encontrar Clementine na escola e começam a se aproximar depois disso. O problema é que Emma namora e ninguém pode descobrir que Clementine gosta de mulheres. Depois de alguns meses, Clementine se cansa e diz que não aguenta mais ficar escondida, enquanto Emma continua com alguém abusiva, o que faz com que Emma termine o namoro para elas ficarem juntas.

Mais tarde, os pais de Clementine descobrem sobre o namoro e expulsam a filha de casa. Ela passa os próximos anos morando com Emma, até que é revelado que Clementine está traindo a namorada com um homem. Isso faz com que Emma expulse a namorada de casa. Clementine passa por um período muito difícil, só depois que ela e Emma começam a se acertar de novo. O problema é que Clementine ficou muito doente e acaba morrendo no final da história.

Há algumas mudanças na história para o filme. No longa, Emma não namora com ninguém antes de Clementine, que, inclusive, no filme se chama Adele. Elas vão morar juntas sem que os pais de Clementine a expulsem de casa. Na verdade, em dado momento, eles só não aparecem mais no filme. Quando Clementine tenta se acertar com Emma, não funciona, porque a ex está em outro relacionamento e não quer mais voltar. No final, Clementine não morre e não fica com Emma.

O motivo pelo qual eu não consigo gostar do ship é o quão problemático ele é, pela escrita e como é retratado. Sim, o filme faz um trabalho pior que o quadrinho, infelizmente há várias cenas desnecessárias e hiper sexualizadas das duas juntas, dá para perceber bem que isso vem de um olhar masculino que se importou pouco com a representação.

Mas não é isso que faz o ship ruim ou não, há elementos da história em geral que são complicados.

Há um motivo pelo qual estou falando desse ship no mês da visibilidade bissexual. Não, em momento nenhum é dito que Clementine é bissexual, porque as mídias raramente falam isso. Mas ela é representada como gostando de mais de um gênero, então dá para ler que ela está em algum lugar do guarda-chuva bissexual. Justo ela, que trai a namorada com um homem e, no filme, é representada de uma forma bem sexualizada.

Sim, a Emma também sofre com a sexualização do filme, mas no final, quando Clementine/Adele tenta reatar as coisas, ela se força sexualmente para cima de Emma. O problema, além do óbvio, é que pessoas bissexuais já sofrem desse estereótipo de só quererem sexo, sair com várias pessoas, serem promíscuos, etc.

Que é a mesma questão da traição com o homem, o estereótipo. Há essa imagem de que pessoas bissexuais vão sempre largar o parceire por uma pessoa de outro gênero, por serem considerados promíscuos e confusos. Isso também não é verdade, é um estereótipo nocivo. Pessoas se negam a ter relacionamento com bissexuais por causa disso e outros preonceitos.

Você pode dizer que, isso em si, não é parte da construção do ship. Tudo bem, podemos levantar outros pontos ruins do ship.

  • Emma vai atrás de Clementine/Adele na escola, uma menor de idade (coisa que Emma não é), sem avisar, sem qualquer permissão, tudo isso depois de conversarem apenas uma vez.
  • No filme, Emma bate em Clementine/Adele quando descobre da traição.
  • Também no filme, Clementine/Adele se força para cima de Emma, beijando-a e colocando a mão da ex no meio de suas pernas a força.
  • Quando Emma briga com Clementine/Adele sobre a traição, um dos elementos que mais pesam para Emma é que foi com um cara. Emma toma uma postura bastante bifóbica ao falar disso.

Eu entendo que temos poucos exemplos de relações entre mulheres na mídia, infelizmente. Mas nem por isso nós precisamos gostar de tudo que aparece. Algumas atitudes na história fazem com que muitas pessoas, assim como eu, não gostem do ship ou da representação que ele mostra.