O MOMENTO TÃO AGUARDADO CHEGOU!

Eu enrolei por muito tempo nessa coluna para falar dos meus amores da Bioware, mas como hoje é N7 Day, achei que nada mais justo finalmente abrir essa porta que são os ships dessa empresa que eu amo e às vezes odeio. Então vamos falar do meu amado Shrios, Shepard e Thane.

Sim, eu sei que Shakarian, Shenko e Liara/Shepard são os mais populares. Mas eu gosto de sofrer, de ralar mais pra encontrar fanfic e do romance que, muitas vezes, vai ser esquecido pelo jogo. Sim, eu vou xingar isso aqui também, Bioware, porque Shrios merecia mais tempo de tela. Mas enfim, vamos começar a falar desse ship que, só de escrever a introdução, já me deu vontade de procurar fanfic.

Este texto contém spoilers da trilogia toda, que você já devia ter jogado, mas caso ainda não tenha jogado essa maravilha na sua vida, vá resolver esse problema.

Comandante Shepard (no meu caso uma mulher, porque eu joguei assim todas as vezes) é a personagem principal da trilogia, aquela que você controla ao longo dos jogos. O passado pode ser escolhido de acordo com o jogador, assim como a índole, mas o fato de Shepard ser uma figura memorável, salvadora da galáxia, continua sempre a mesma.

No começo do Mass Effect 2, Shepard sofre um acidente onde morre, mas seu corpo e mente são reconstruídos pela Cerberus, um grupo que está investigando as atividades dos Collectors, que tão sequestrando colônias humanas pelos planetas. Shepard precisa juntar um time de especialistas em várias áreas para enfrentar esse inimigo, um deles é o assassino Thane Krios.

Thane é um drell, uma raça que vive um pouco menos que os humanos (a média da vida de humanos do Mass Effect é uns 150 anos). Eles são uma raça que foram salvas de seu planeta natal, que estava morrendo. Drells tem dificuldades com lugares úmidos, o que faz com que às vezes eles contraiam uma doença sem cura, que mata depois de um tempo. Esse é o caso de Thane. Além de tudo isso, ele é muito religioso e com problemas no passado, como todo bom personagem da Bioware.

Shepard recruta Thane e pode falar para ele sobre seu interesse. Mas antes de muitas cenas do romance acontecerem, Thane pede ajuda para encontrar seu filho. Ele era muito ausente em casa, trabalhando para tentar sustentar a família, mas seu trabalho como assassino fez com que sua esposa fosse morta. Thane vai procurar vingança e pede para que os avós continuem cuidando do filho, Kolyat. Os anos passam e este resolve seguir os passos do pai como assassino, que é tudo o que Thane não quer.

A missão é impedir Kolyat de assassinar um político e dele entrar em uma situação muito ruim. Quando tudo dá certo, Thane tenta reconstruir a relação difícil que tem com o filho. Não vai melhorar do dia para a noite, mas parece que as coisas podem dar certo. Ele até passa a te chamar de Siha, que significa “guerreira anjo da deusa Arashu”, a deusa da proteção na cultura drell. Um termo para demonstrar o afeto que ele tem.

E aí finalmente o romance acontece, antes da batalha final. Thane está preocupado porque ele sabe que está com os dias contados, ter uma relação com Shepard pode só machucá-la. Mas aí a gente dá um “se liga mano” nele e tudo dá certo. Pelo menos por enquanto. Você pode recusar ele também, mas sério, quem faz isso?

Depois da missão suicida, se Thane não morre, parece que tudo dá certo. O problema é que no começo de Mass Effect 3, Shepard é presa na Terra, a mando da Aliança, já que a Cerberus nunca foi uma organização boa. Os reapers chegam na Terra (como a gente dizia desde o começo da franquia) e Shepard foge com sua nave e parte da tripulação.

Entre muitos lugares que ela visita, Shepard encontra Thane no hospital da Citadel. Ao longo desse tempo em que ela esteve presa, Thane mandou várias mensagens, mas elas foram confiscadas pela Aliança e Shepard nunca recebeu. A relação com Kolyat melhorou, mas a doença piorou, então Thane não pode mais sair pela galáxia lutando com Shepard. Mas dá para visitar Thane e ter momentos fofinhos com ele.

Mas Mass Effect não perdoa ninguém. No meio do jogo, a Citadel é invadida. Um dos alvos é o conselheiro salariano, mas Thane sai do hospital para salvá-lo. A droga do problema (imagine uma Clarice muito irritada agora) é que o imbecil do Kai Leng, assassino da Cerberus, foi atrás do conselheiro. Thane é obviamente (observe que meu julgamento é parcial) é um assassino melhor, mas ele tá doente, então o desgraçado do Kai Leng consegue dar uma espadada nele e eu nunca vou perdoar a Bioware por isso. Sério, por quê?

Thane é levado para o hospital, mas pelo seu problema com a respiração e o estado avançado da doença, ele não tem tempo. Shepard vai dizer adeus, Kolyat está lá e faz uma última prece em nome do pai, que morre em um dos momentos mais tristes da trilogia. Não, eu não tô chorando. Talvez. Enfim, Shepard percebe que a oração é para uma “ela”, e fica confusa porque geralmente, depois de alguma coisa importante, Thane faz uma prece para si. Mas Kolyat diz que ele já tinha feito todas as preces, aquela era para Shepard.

ME MATA BIOWARE!

No final do jogo, podemos nos vingar de Kai Leng e eu vibrei quando Shepard solta um “Isso foi pelo Thane, seu filho da p&ta!”. Nunca me senti tão representada em um jogo. Thane merecia mais. Inclusive mais tempo de jogo, já que comparado com outros romances, ele não aparece tanto.

Eu gosto dos romances da Bioware que fazem a gente sofrer em posição fetal, mas em minha defesa, eu comecei a jogar Mass Effect na época do 2, eu não tinha ideia que eles iam cumprir a parte de matar o personagem, ainda mais durante o jogo. Tanto que sempre que eu falo “meu main romance foi o Thane”, quem jogou já dá aquele olhar de dó. Porque doeu muito, viu? Bioware não pode ficar matando meus namorados assim.

O bom de Shrios é que, apesar de não ter tanto material como Shakarian, por exemplo, ainda tem muita fanfic boa por aí, além de fanarts, inclusive algumas delas dos dois se encontrando “além do mar”, como diria Thane, depois do final do jogo. Eu não tenho estrutura pra lidar com isso. Mas nesse N7 Day, resolvi falar do meu ship preferido dessa franquia que eu amo tanto.