A Netflix lançou o trailer da sua nova série de Cavaleiros do Zodíaco, que deixou muitas pessoas empolgadas desde o anuncio. Porém, com o trailer, descobrimos uma mudança que deixaram muitas pessoas insatisfeitas: Shun de Andrômeda agora é uma mulher.

Caso você já conheça nosso conteúdo, pode parecer contraditório que, neste texto, vamos criticar essa mudança e dizer porque ela é negativa. Nós aqui do Nebulla costumamos ser a favor de mudanças que tragam inclusão, como uma mulher receber o manto do Thor, por exemplo. Mas vou explicar porque essa mudança em questão não é inclusiva e nem uma boa escolha.

O roteirista da nova animação, Eugene Son, explicou em seu twitter o porquê desta mudança.

A grande pergunta: Por que mudar o Andrômeda?

Isso é tudo culpa minha.

Quando começamos essa animação, nós queríamos mudar pouco. Os conceitos que fazem os cavaleiros serem amados são muito fortes. Muito disso continua firme mesmo 30 anos depois.

A única coisa que me preocupava é que todos os cavaleiros de bronze são homens.

A animação sempre teve personagens mulheres fantásticas, o que reflete em tantas mulheres serem fãs da franquia.

Mas há 30 anos, vários caras lutando para salvar o mundo, sem nenhuma mulher por perto, não era nada demais.

hoje o mundo mudou. Homens e mulheres trabalhando juntos é comum. Estamos acostumados a ver isso.

E talvez ver mulheres socando e chutando umas as outras fosse esquisito. Mas hoje? Não é a mesma coisa.

Então nós pensamos no que fazer. Há várias personagens femininas no anime e no mangá. Marin e Shaina são fantásticas. Mas elas já são poderosas, ninguém quer vê-las como cavaleiras de bronze.

Pegamos personagens antigas como Saori, Shunrei ou Miho e as mudamos? Ou fazemos uma personagem nova para acrescentar ao time?

Mas eu não queria criar uma personagem nova que seria óbvia. Especialmente se ela fosse forçada e sua maior característica fosse “ser uma mulher”

Então pensamos em Andrômeda, que todos concordam que é um personagem incrível. E se o Antigo Shun de Andrômeda virasse Shaun de Andrômeda? Quanto mais trabalhávamos nisso, mais potencial nós víamos.

Os conceitos originais não mudaram. Ela ainda usa correntes para proteger a si mesma e os amigos. Tudo que ela aprendeu com seu irmão protetor.

E os fãs sabem o que acontece com Andrômeda ao longo da história. O que aconteceria se ela fosse uma mulher? Achei que seria interessante descobrir.

Mas eu sabia que isso causaria polêmica. Eu não vejo isso como mudar o personagem. O Shun original ainda é incrível. Mas isso é uma interpretação nova.

Eu acredito que algumas pessoas envolvidas acharam que isso seria inclusivo, que eles estavam pensando na representação feminina ao tomar essa decisão. O problema é que não funciona bem, exatamente pelo que o Shun original era e por como ele era visto por parte do público.

Shun é um cavaleiro muito forte, mas mesmo assim, ele sempre foi visto com maus olhos nas animações antigas. Ele usava uma armadura rosa, era o cavaleiro que demonstrava mais empatia, que evitava conflitos e até tinha cenas entre ele e o Hyoga que colocam um possível romance em questão. Não que Cavaleiros do Zodíaco teria coragem de fazer isso, mas a relação estava ali. Sim cena da casa de libra, estou olhando para você.

Por causa disso e de seus traços femininos, Shun sempre foi visto como o “viado” e, portanto, um personagem pior. Durante a infância de muitos, ser o Shun nas brincadeiras era uma vergonha, motivo de bullying, porque ele não era “homem o suficiente”. Além disso, não era incomum Shun ser colocado em posição de precisar ser salvo pelos outros cavaleiros durante os episódios.

Agora imagina tudo isso sendo em uma personagem feminina. A mulher é a que usa armadura rosa, que evita violência, que é empática, que tenta parar batalhas, que é salva o tempo todo, que tem um irmão mais velho super protetor… Entende como pode reforçar todos os estereótipos que tentamos quebrar?

Sem contar que só piora a conversa sobre masculinidade tóxica. Como se quem é homem mesmo tivesse que gostar de luta, de briga, de roupas “de homem”, cores que não sejam de “menininha”. O Shun nessa nova animação poderia ser o exemplo do homem que quebra as questões da masculinidade tóxica, de que para ser “homem de verdade” só pode ser de um jeito específico.

Se a questão era ter uma mulher entre os cavaleiros originais, por que não mudar outro personagem? Eu sei que eles nunca teriam coragem de fazer isso com o Seiya, mas tinha o Hyoga, o Shiryu, o Ikki… Todos poderiam ter sido escolhas mais interessantes, se eles queriam tanto isso. Mas era mais fácil reforçar estereótipos homofóbicos e machistas usando o Shun. Ou eles podiam ter colocado os cavaleiros como personagens LGBT+. Já havia algo entre Shun e Hyoga, por exemplo. Por que não concretizar isso? Agora é bem possível que aconteça, já que Shun é mulher e aí se torna “aceitável” para a maioria do público.

A animação ainda não foi lançada, então pode ser que eles construam uma Shaun que não reforce esses estereótipos que a mudança aparentemente vai fazer. Ela pode ser uma personagem legal sim. Porém, não muda o fato de que apaga uma representação não tóxica de masculinidade e reforça outros estereótipos. Vamos ver o que vai acontecer, mas por enquanto não é animador.