Pantera Negra é o tipo de filme que você sai e fica pensando, e pensando, e pensando e acha que nunca vai conseguir pegar exatamente tudo que o filme quis dizer. Eu, pelo menos, fiquei me mordendo pra conversar com alguém sobre o filme assim que saí. Mas como eu fui ver o filme na Cabine de Imprensa tive que esperar até o lançamento.

Mas eis que você já conversou bastante, já leu um monte sobre o filme e está querendo continuar a explorar os temas que Pantera Negra levantou, mas num gênero diferente. Talvez um documentário ou uma ficção? É pra isso que eu estou aqui!

1. A 13ª Emenda

O filme dirigido por Ava Duvarney discute a Décima Terceira Emenda da constituição norte-americana, que proíbe que pessoas seja usadas como escravas – a não ser que eles sejam criminosos encarcerados.

O filme fala sobre como essa emenda vem sendo usada para basicamente transformar cadeias em centros de trabalho forçado desde a sua concepção. A emenda, apoiada mitologia do criminoso negro e na criação de centros de detenção privados, está diretamente relacionada ao boom de encarceramento de pessoas negras a partir décadas de 80/90 e na onda de violência policial contra pessoas negras.

A relação? Killmonger é filho dessa realidade norte-americana. Seu pai, mesmo que tenha escolhido o caminho errado, tentava lutar contra essa realidade – o filme começa exatamente nesse período da história americana.

A 13• Emenda ganhou diversos prêmios, foi indicado ao Oscar e você pode assistí-lo no Netflix.

 

2. Get Out

Estrelado por Daniel Kaluuya, o W’kabi de Pantera Negra, o filme segue Daniel Washinton, um homem negro que vai até a casa dos pais da namorada branca para conhecer a família. O passeio até a propriedade no interior dos EUA começa como o encontro de uma família liberal, que votou no Obama, mas tudo isso logo toma um caminho assustador.

O filme é, de acordo com Jordan Peele, diretor do filme, uma análise da 13ª Emenda, suas consequências e influências na comunidade negra americana. Nessa mesma nota, o filme também aborda o racismo que passa despercebido sob a camada liberal/progressista que algumas pessoas brancas possuem – aka, racismo hipster.  

A relação? Assim como Pantera Negra, Get Out é um filme que não só trás uma discussão sobre a questão de raça dentro dos EUA, mas a expande para uma discussão que não esteja nichada dentro de um tipo de filme ou direcionada a um tipo de público que a indústria percebia até agora como os únicos interessados. É uma temático de ressonância universal.

3. Faça a Coisa Certa

Dirigido por Spike Lee, Faça a Coisa Certa segue alguns dias na vida de um grupo de pessoas que vive ao redor de uma pizzaria italiana dentro de um bairro majoritariamente negro (Brooklyn da década de 80).

O filme discute as relações entre a comunidade negra do bairro e os donos da pizzaria, como as dinâmicas raciais podem afetar essas relações e como a violência policial pode acabar com a aparência de tranquilidade do dia-a-dia. Além disso, o filme discute o comportamento e o nível de controle inatingível que a sociedade espera de um homem negro, fala sobre as dicotomias e intersecções entre Martin Luther King e Malcom X, e como essas questões são vistas não só pela comunidade negra, mas como tudo isso será decodificado por pessoas brancas.

A Relação? O encontro de diferentes culturas existindo dentro de um só lugar, o modo como elas se relacionam em questão de poder estrutural ou pessoal, e a influência do poder policial e político também é discutido em Pantera Negra. Seja através dos objetivos de Killmonger, da sociedade que o criou ou as divergências entre as visões de Killmonger e T’Challa, tudo isso também está em Faça a Coisa Certa.

Vale lembrar que, pelo amor de Santa Cher, o Killmonger não é o Malcom X.

Até mais! 😉