Lá em 2016 eu joguei Undertale e, com isso, um novo vício nasceu. Quem acompanhava meus textos na época sabe como eu amei o jogo, como eu recomendei e ainda recomento para todo mundo, além de ter oficialmente entrado no meu top jogos preferidos de todos os tempos.

Uns meses atrás, entrei em um “debate” com amigos meus sobre eu ser otimista ou não. Comentei que eu não era, pelo menos não o tempo todo. O argumento que usaram para mim foi “Seu plano de fundo no celular é de Undertale, escrito ‘não desista, não importa onde esteja’ e ‘você está cheio de determinação’. Você é otimista'”

Na época em que eu mudei meus planos de fundo do celular, quando achei essas imagens de Undertale, lembro de colocar essas mensagens para não esquecer, para me manter de pé. Este ano tem sido uma montanha russa de emoções na minha saúde mental, mas os últimos dias têm sido bem especiais, não no melhor sentido da palavra. Eu passei muito tempo mal, para baixo, derrotada e me perguntei algumas vezes qual era o ponto de fazer qualquer coisa, se tudo podia dar tão errado.

O engraçado é que, mesmo colada no celular, eu nem me dei ao trabalho de ler o que eu mesma tinha colocado de recado para mim, há dois anos.

Por um lado, essa percepção de que eu tinha perdido as esperanças me derrubou ainda mais. Porque sim, eu sou otimista, apesar de não parecer, eu busco e tento acreditar. Eu sou a pessoa que há mais de 10 anos decidiu que ia fazer de tudo para viver da minha escrita. Ainda não cheguei lá, mas o que muitos achavam que era sonho de adolescente não deixou de ser meu objetivo. Mas né, convenhamos, não é um objetivo fácil ou muito viável, então tem que ser otimista mesmo.

Ontem a Rebeca usou Star Wars para falar sobre a nossa força em estarmos juntos, em relação ao momento atual. Hoje, eu quero usar Undertale para tentar passar determinação para vocês. Como é um jogo que eu acredito que vale ser jogado, eu vou passar o mais longe possível dos maiores spoilers que tornam Undertale uma experiência única.

Um dos grandes temas ao redor do jogo é resistência. É se manter determinado, qualquer que seja o objetivo, o jogo sempre martela a questão da determinação, seguir em frente mesmo com a quantidade de coisas que acontece ao redor do seu protagonista.

Há algumas rotas possíveis em Undertale, então dependendo de como você escolhe jogar, o jogo pode ter um tom completamente diferente. Mas uma máxima do jogo é que violência não é o melhor caminho. Ela até pode te deixar mais “forte”, ou intimidador e ninguém mexe com você, mas é um caminho que só leva à destruição. O caminho da conversa, do diálogo, de buscar entender os outros é uma aventura muito mais sobre amizade, sobre amor e mensagens de perseverança. O fato de isso ser colocado em um jogo é o que pega os jogadores de surpresa, e por isso é tão marcante.

Na minha rota, que foi a pacifista, o jogo me dizia de todas as maneiras para não desistir. Quando a coisa ficava muito difícil, ele me lembrava dos amigos que fiz ao longo da aventura, para voltar e falar com eles, buscar ajuda ou ajudá-los. O final do meu jogo focou bastante na questão de estar junto daqueles que estão do seu lado, que juntos são mais fortes e conseguem enfrentar até o que a história toda dizia que era impossível de vencer.

Quando eu terminei o jogo, na época, lembro de ter aquela sensação de tomar uma injeção de esperança, porque no final do dia, uma das possibilidades de Undertale é essa mensagem. Que não importa o que aconteça, você precisa continuar tentando e, se precisar, chame por outras pessoas, que elas vão vir. Uma das coisas que os monstros não conseguem entender nos humanos é esse sentimento de determinação, que depois de tudo dando errado, a determinação nos faz continuar.

Nessa época em que vivemos, se tem uma coisa que precisamos, é determinação. Independente do que acontecer na urna, os próximos anos e até o momento atual vão exigir da gente muita determinação para continuar lutando, ou até para continuarmos buscando aquilo que queremos.

Então se mantenha determinado <3