Desde 2008, com o lançamento do primeiro Homem de Ferro, nós estamos vendo o MCU ser formado, com inúmeras histórias, tanto de origem, como unindo vários personagens. Agora, 11 anos depois, Vingadores: Ultimato entrega para nós o final de uma era, com um filme de três horas que busca concluir e dar um ponto final em inúmeros assuntos.

Esta crítica não contém spoilers do filme.

Depois de Vingadores: Guerra Infinita, os heróis que sobreviveram precisam lidar com as consequências das ações de Thanos. Enquanto vemos cada um deles tentando se recuperar do trauma, a presença de Homem Formiga coloca a situação em outra perspectiva. Será que existe uma forma de ainda vencer Thanos e impedí-lo?

O filme tem três horas, mas ao contrário de outros filmes longos de super-heróis, Vingadores: Ultimato não é cansativo. Ele vai passando por todas as etapas de sua história, sem muita demora, mostrando as missões de cada personagem.

Como Vingadores: Ultimato é o final de uma era do MCU, o foco do filme, além de resolver o que começou em Guerra Infinita, é concluir também o arco de personagens dos Vingadores iniciais: Capitão América, Homem de Ferro, Viúva Negra, Thor, Hulk e Gavião Arqueiro. Portanto, eles são o foco. O filme consegue dar uma conclusão para todos eles, algumas melhores do que outras, mas nenhuma ponta fica aberta.

Resultado de imagem para avengers endgame

Um dos fatores mais impressionantes de Vingadores: Ultimato, é a capacidade do roteiro de amarrar pontas. Nós nunca vimos tantos heróis juntos em um mesmo filme, e todos eles são importantes e protagonistas de seus próprios filmes (menos alguns). Ter um elenco grande, como no primeiro filme de Vingadores, já é difícil o suficiente, mas um elenco maior ainda como em Vingadores: Ultimato é um desafio enorme, tanto do ponto de vista da história, quanto dos personagens.

Pensando em história, Vingadores: Ultimato teve cuidado para mostrar todos os personagens envolvidos, com menos ou mais destaque, mas todos apareceram. Os que precisavam ser o foco tiveram tempo de tela considerável. É uma história trabalhosa, com várias ramificações, mas a Marvel conseguiu fazer funcionar.

Quanto aos personagens, parte do que ajuda Vingadores: Ultimato é que o universo do MCU é sólido. Pode ter alguns filmes ruins, mas não podemos negar que a construção de universo tem sido feita há anos, com inúmeros filmes e pontos explorados, que permitiu que o filme final pudesse reunir todos esses elementos em um mesmo momento.

Resultado de imagem para avengers endgame

A maioria dos destinos que os personagens ganham é bom, mas alguns específicos parecem não fazer muito sentido com o personagem. Porém, independente de algumas coisas que poderiam ser diferentes, o filme acerta e mostra momentos emocionantes, felizes, divertidos e agoniantes, no bom sentido.

O fato do filme conseguir guiar as emoções do público por três horas, sem enrolações e sem cansar quem está assistindo, mostra como a construção toda de Vingadores: Ultimato foi, em sua maioria, bem realizado. Também é uma grande homenagem aos fãs da Marvel, porque em vários momentos, enquanto os personagens principais precisam lidar com seus sentimentos e seus desafios pessoais, vemos várias referências à tudo que o MCU construiu até hoje.

Um dos grandes pontos negativos é como Vingadores: Ultimato dá pouco espaço para os seus heróis que fazem parte de minorias. A maioria dos personagens negros foram mortos pelo estalo de Thanos em Guerra Infinita, então já não temos muitos em tela. Isso também vale para as mulheres. É compreensível que eles precisavam diminuir o elenco, até por questão de lidar com tantos personagens em uma história só. O problema é que, a maioria dos “vingadores originais”, que são o foco desse filme, são homens brancos dentro do padrão, tirando Viúva Negra, que é a única mulher desse primeiro grupo.

Resultado de imagem para avengers endgame

Por mais que o filme tente, em dado momento, valorizar suas personagens femininas, isso não é o suficiente porque o tempo de tela delas ainda é muito menor que o dos personagens masculinos. Sem contar que o arco delas acaba não recebendo tanta atenção, o que é uma pena. Se o MCU tiver uma nova era, com outros heróis, espero que isso seja corrigido.

Vingadores: Ultimato é um filme bem engraçado, com aquele humor da Marvel que os fãs adoram. Um dos problemas com o humor são as piadas gordofóbicas que acontecem com um personagem específico, porque o seu corpo é usado como piada ao longo do filme. Perpetuar piadas sobre corpos considerados fora do padrão é uma forma de preconceito que eles poderiam ter evitado.

Apesar de algumas questões e cuidados a mais que poderiam ter sido feitos, Vingadores: Ultimato é um filme muito bem pensado, com uma produção incrível, que faz um bom trabalho em amarrar história e personagens. A Marvel conseguiu construir um ótimo universo cinematográfico, que acompanhamos por muito tempo e finalmente temos a conclusão. Um final de saga emocionante, que nos manteve na ponta da cadeira por muito tempo no cinema.