Depois de dois anos, muita espera e especulações, a oitava e última temporada de Game of Thrones finalmente chegou. Com apenas seis episódios, e alguns deles com mais de uma hora, chegamos no final de uma jornada de quase dez anos (pelo menos na televisão).

Winterfell é um paralelo ao primeiro episódio da primeira temporada. Com Daenerys Targaryen chegando em Winterfell, e sendo recebida pela família Stark, não dá para não lembrar do momento em que o rei Robert Baratheon foi visitar Ned Stark, em uma época mais pacífica e com menos personagens mortos. Até mesmo algumas cenas e ângulos fazem referência àquele momento. Assim como tudo começou em Winterfell, tudo vai terminar lá também.

Apesar dos primeiros episódios da série serem sempre mais arrastados, Winterfell não perde tempo e entrega algumas coisas importantes. O que é bom, já que não temos muito tempo de temporada. Sem contar que estamos no final, não queremos mais peças posicionadas no xadrez, queremos saber como vai terminar, estamos esperando há anos para isso.

Winterfell é um bom começo de temporada, algumas coisas com certeza não precisavam estar lá, mas divertiu e entregou coisas que precisávamos para esse começo do fim.

Este texto terá spoilers da série.

  • Reencontros

Kit Harington and Maisie Williams in Game of Thrones (2011)

Assim como a primeira temporada fez muitos personagens se encontrarem para começar a história, a oitava temporada nos deus reencontros, ou até novos encontros, que estávamos esperando há tempos.

O mais esperado, provavelmente, é o reencontro de Arya e Jon, que hoje são pessoas completamente diferentes do que eram quando se despediram lá no começo. Entre todos os irmãos, os dois eram o que tinham a conexão mais forte. As diferenças são notadas pelos próprios personagens, Jon vê que, não só Arya está mais habilidosa, pois não percebeu sua aproximação em um primeiro momento, como vê seu amadurecimento. Arya defende Sansa para Jon, o que era algo inimaginável anos atrás. Mas agora o problema é maior, as duas passaram pelas suas próprias jornadas e entenderam tanto uma a outra, como elas mesmas.

Arya também reencontra o Cão e Gendry. Por mais que isso mostre muito da nova Arya, os encontros em si não trouxeram muita coisa nesse primeiro episódio. Sabemos que Arya pediu uma arma especial para Gendry, além de que perto dele, ela parece mais suave do que com os outros, o que é bacana de ver. Mas só vamos saber a real utilidade desse pedido nos próximos episódios.

Jon também reencontra Bran. Aos olhos de todos, talvez Bran seja o personagem mais diferente. Não só porque estavam acostumados a vê-lo escalando árvores, e agora ele está em uma cadeira de rodas, mas também porque Bran praticamente não é mais ele mesmo. Outra pessoa que se choca com o encontro com Bran, por mais que seja breve, é o próprio Jaime. Faz algumas temporadas que ele precisa lidar com as consequências de seus atos, e encontrar Bran é literalmente ser confrontado com algo ruim que ele fez.

Sansa e Tyrion também se reencontram. A última vez que se viram foi quando Joffrey morreu, na quarta temporada, inclusive a fuga de Sansa trouxe vários problemas para Tyrion (e mais tarde, para ela mesma). Mas Sansa, assim como Bran, talvez seja a personagem que está mais distante do que já foi um dia. Esses dois irmãos tinham sonhos românticos, de ser uma lady e um aventureiro especificamente, e os dois receberam isso da pior forma possível.

  • Sansa é a melhor estrategista da série atualmente

Resultado de imagem para sansa season 8

É sempre divertido ver como Sansa cresceu, ainda mais considerando como a personagem foi diminuída por tanto tempo, não só na série, mas pelos fãs. Ela consegue fazer uma leitura muito boa da política em Westeros, de forma que seu pai, Ned Stark, e seu irmão Robb, nunca foram capazes de fazer. Agora, quando ela recebe a nova rainha em Winterfell, Sansa vê algumas possibilidades na sua frente. É como Tyrion diz, muitos a subestimaram, e olha só onde ela está agora.

Sansa sabe que a chegada de Daenerys significa que os nortenhos não vão ficar tão confortáveis em ficar ao lado de Jon, ao contrário de antes, que estavam felizes por ele ser nomeado o Rei do Norte. Mesmo querendo manter o seu lugar como Lady de Winterfell, Sansa entende que, para unir os nortenhos, Jon é uma figura que passa mais estabilidade. O que, honestamente, só mostra como os nortenhos são cabeça dura, porque Sansa é muito mais competente nisso. Jon é um guerreiro, ele luta e ela que sabe fazer política. Tanto que, quando Daenerys chega, Sansa está mais preocupada em manter todos alimentados durante o inverno.

Ela também sabe que Cersei não vai ajudar, mesmo que Tyrion tenha acreditado na irmã. Sansa conhece Cersei muito bem, inclusive aprendeu muito com ela, e sabe que a atual rainha de Westeros prefere que os nortenhos se matem com os white walkers, assim ela pode lutar contra o exército vitorioso, que estará enfraquecido. Ela pode não ter tantos homens assim, mas tem a frota Greyjoy.

Daenerys também percebeu que Sansa não vai muito com a cara dela, o que é bem possível que cause algum confronto no futuro. Nesse episódio mesmo, Jon já confronta Sansa com o assunto e, no fundo, ninguém está completamente errado. Jon sabe que agora os títulos são o de menos, existe uma ameaça maior que, se ganhar, não vai ter trono para ninguém se sentar. No entanto, Sansa também sabe muito bem que não dá para confiar em qualquer nobre que ofereça seu exército, é só ver o que aconteceu com Robb. Ela também sabe que nobres mudam de ideia facilmente, que levou Ned ao seu fim. Todos já ouviram falar do Rei Louco, Sansa obviamente não quer uma pessoa assim liderando, ainda mais em sua casa, e como Arya bem pontuou, o objetivo dela é proteger a família Stark.

  • Enquanto isso, em Porto Real

Talvez a parte mais desinteressante do episódio, mas ainda assim trouxe algumas informações importantes. Cersei, como Sansa já sabe, não pretende ajudar ninguém que não seja ela mesma. Ela está disposta a manipular Euron da forma que bem entender, mas considerando que Euron é um dos maiores psicopatas de Westeros, é possível que isso não saía tão bem quanto ela imagina.

Nós também somos lembrados nesse primeiro episódio que Cersei está grávida, o que ainda é um mistério sobre como isso se encaixará na história. De acordo com a profecia de Cersei, ela só teria três filhos, e todos eles já estão mortos. É possível que ela morra antes desse bebê nascer, até porque não é como se tivéssemos muito tempo de temporada para uma gravidez.

Como Game of Thrones não sobrevive sem uma cena desnecessária de nudez, nós vimos Bronn com três prostitutas para cobrir a cota da série. Essa cena podia ter sido feita de inúmeras formas, mas não é na última temporada que eles vão parar de objetificar mulher, né? De qualquer forma, Qyburn aparece e diz para Bronn que, a mando da rainha Cersei, ele tem a missão de matar Tyrion e Jaime. Que ela quer Tyrion morto, não é novidade, mas estar disposta a matar Jaime só mostra como ela deu mais um passo no seu caminho sem volta. A história de Cersei está destinada a ser uma grande queda.

  • Greyjoy – Dividir e conquistar

Alfie Allen and Gemma Whelan in Game of Thrones (2011)

Euron ainda manteve Yara viva, depois de capturá-la na última temporada. Porém, para a felicidade da Greyjoy, Theon volta para salvá-la, mesmo tendo deixado a irmã de lado e fugido na última temporada. Isso é bom, porque promete começar todo um caminho para Theon tentar recuperar sua vida, após tudo que ele passou.

Enquanto Euron está com Cersei, Theon salva Yara e eles vão embora em um dos navios Greyjoy. Yara acredita que eles precisam voltar para as Ilhas de Ferro, para continuar servindo Daenerys como prometeram antes. Se Winterfell cair para os white walkers, as Ilhas de Ferro são um bom lugar para que eles possam se manter a salvo, em tese é mais difícil para que os mortos cheguem lá (mas né, eles têm um dragão).

Theon decide que não vai, que quer voltar para Winterfell e lutar ao lado dos Stark, que talvez seja o próximo passo do personagem em se redimir com as pessoas que ele deixou para trás. Lembrando que Theon traiu os Stark, assim como deixou Yara para trás, então é possível que ele busque essa redenção. Sansa é Lady de Winterfell, então ela pode falar a favor de Theon. De qualquer forma, os irmãos decidem se separar, cada um para a sua missão.

  • Qual Targaryen vai ficar com o trono?

Kit Harington and Emilia Clarke in Game of Thrones (2011)

Se alguém ainda tinha dúvidas de que Jon era um Targaryen, isso sumiu na cena desse episódio em que ele saiu voando em Rhaegal. Eu sei que algumas pessoas não gostaram da cena, mas se o plano é fazer Jon lutar contra os white walkers em um dragão, é importante que ele tenha voado ao menos uma vez em Rhaegal para saber o que fazer, se não seria esquisito ele, do nada, conseguir lutar numa boa sem cair e morrer. Sem contar que, por mais de Jonerys não seja o casal preferido do fandom, isso ajuda a criar um vínculo entre os dois. Com alguns diálogos meio bregas, a série está tentado dar mais química para Jonerys, mas ainda não chegou lá.

Felizmente a série não perdeu tempo e, depois de Sam descobrir que Daenerys matou sua família na temporada passada, ele vai até Jon e fala que ele é filho de Lyanna e Rhaegar, fazendo dele um Targaryen. Não só isso, de acordo com a linhagem, como ele é descendente do primeiro filho do Rei Louco, ele tem mais direito ao trono do que Daenerys. Primeiro é o filho, depois, se não houver filhos, é o irmão. Assim como aconteceu com o trono Baratheon, que a princípio iria para os filhos de Robert, mas como Joffrey na verdade era um Lannister, Stannis tinha mais direito ao trono.

Só que isso causa um baita problema. Como Jon bem pontuou, Daenerys pode encarar isso como traição, e não é como se eles tivessem muitas provas da verdade além dos poderes de Bran, que as pessoas simplesmente podem não acreditar. Sam pergunta para Jon se ele acha que Daenerys abriria mão da coroa pelo bem maior, como o próprio Jon fez ao se ajoelhar, e a verdade é que não sabemos. Desde o primeiro momento em que Daenerys se solta das suas amarras e renasce como mãe dos dragões, o objetivo dela é reconquistar Westeros. A história dela é a de uma colonizadora. Foi o que fez ela ir para frente, mesmo com tudo o que aconteceu, e ela tem muita certeza de que o trono é dela. Agora, não só ela pode descobrir que não é, como o herdeiro é a pessoa por quem ela está se apaixonando (sem contar que né, descobrir que pegou o sobrinho). Vai ser um grande desafio de orgulho para a personagem. Eu acho que, no final das contas, ela faria o que é certo pelo bem maior, mas no começo vai ter resistência.

De qualquer forma, Davos, Varys e Tyrion pensam em uma solução: Casar Jon e Daenerys. Os dois ficam com o trono, sem problemas de sangue, e o Norte teria mais paciência em aceitar as ordens de Daenerys, o que facilitaria muito na luta contra os white walkers. Pensando de um ponto de vista estratégico, essa de fato é a melhor solução, e nós sabemos que os Targaryen não ligam para incesto, então por mais que a gente ache estranho, talvez seja a resposta para um novo tempo de paz em Westeros.

  • White Walkers estão chegando

Harry Grasby in Game of Thrones (2011)

Enquanto toda a briga política ainda acontece, Game of Thrones nos lembra que a ameaça maior ainda está chegando. Lorde Umbre, que ainda é só um garoto, foi a primeira morte da temporada, sendo pego pelos white walkers e colocado em um símbolo que lembra muito o dos filhos da floresta, o que pode indicar alguma coisa no final.

Pelo teaser do próximo episódio, é possível que já tenhamos uma batalha. Os white walkers atravessaram a muralha, então eles não estão longe de Winterfell, e não é como se eles precisassem parar para descansar como os humanos precisam. Talvez essa luta seja o que todos precisem para entender que a discussão sobre quem fica com o trono pode vir depois, assim como o julgamento de Jaime, que parece que vai acontecer em um futuro bem próximo.