A tag “Korra” entrou nos TT do Twitter hoje. Quem já está acostumado com o fandom de Avatar sabe os tipos de discussões que acontecem quando Korra entra em destaque: As pessoas começam a discutir sobre qual fase da animação era melhor, a história de Aang ou a de Korra? Eu acredito que essas discussões são válidas e, de alguma forma, inevitáveis. Mas, sempre que eu vejo elas acontecendo, eu percebo comparações que costumam ser injustas com a jornada construída na história de Korra.

Porque as histórias dos dois avatares não precisam ser iguais. Então vamos falar um pouco disso, sem maiores spoilers das tramas de cada um.

Se você nunca viu Avatar, eu recomendo que assista. Sim, as duas fases, todas as temporadas. Independente de qualquer coisa, todos os episódios e histórias adicionam muito no universo.

Por que Avatar é sensacional e você precisa assistir (Aang e Korra ...

A franquia Avatar fala sobre um universo em que algumas pessoas são dobradores, ou seja, conseguem manipular um dos quatro elementos (água, fogo, terra e ar). Porém, apenas uma pessoa, o Avatar, pode dominar os quatro elementos, ele reencarna em cada nova geração. O primeiro que nós conhecemos foi o Aang, que foi lançado em 2005, uma história dividida em três temporadas. Depois vimos Korra, lançado em 2014, uma história dividida em quatro temporadas.

Um dos maiores pontos de discussão, que acontece desde a primeira temporada de Korra, é como a história dela “não é tão boa quanto a do Aang” e a lista de motivos inclui várias comparações que, ao meu ver, são injustas. Como falei antes, por serem da mesma franquia, é inevitável que as comparações aconteçam, e até certo ponto eu acredito que elas possam ser válidas. O problema, para mim, aparece quando Korra é criticada por não ser “igual ao Aang” (tanto a história como um todo, como o arco de personagem).

E eu sou uma das pessoas que prefere a história do Aang. Não tem nenhum problema preferir um ao outro, inclusive é normal que isso aconteça. Eu acho que Korra podia ter dividido melhor seus núcleos narrativos e, por mais que eu ame os vilões de Korra e acho que eles acrescentam muito no universo, eu não acho que a representação deles (ou as soluções da série para eles) sejam sempre as melhores. Dito tudo isso, as minhas críticas com Korra não são espelhadas no que aconteceu dentro da história do Aang, porque eu não acho que isso devia ser usado como régua. Inclusive, recentemente tive uma conversa muito legal com a Anne Quiangala, do Preta, Nerd & Burning Hell sobre Korra, nós duas falamos pontos que gostamos e desgostamos e, querendo ou não, às vezes mencionamos a história do Aang no meio, mas não como um qualificador do que Korra “deveria ter sido”.

Mas eu também não posso negar que parte da minha preferência por Aang é a nostalgia, porque foi como eu conheci o universo, porque vi desde o começo quando a Nickelodeon começou a passar no Brasil. É comum nós darmos preferência para as coisas que são nostálgicas pra gente, que “vieram primeiro” de alguma forma. E talvez seja aí que comece as comparações injustas. Quando nós nos prendemos muito a essa nostalgia do nosso passado, nós às vezes viramos o rosto para coisas novas. É só ver como a nova animação de She-Ra recebeu muitas críticas injustas por parte dos fãs “antigos”, ou como os fãs mais tradicionais de Star Wars se recusam a ver qualquer coisa boa nos novos filmes. Novamente, você pode não gostar do que vem depois, mas a grande questão é: Por que você não gosta? É porque você queria que fosse igual ao anterior, ou existe realmente algum motivo fora da nostalgia?

Avatar water bender digital wallpaper, Korra, Avatar: The Last ...

Voltando a falar de Avatar, para mim, o grande acerto de Korra foi exatamente o quão diferente ela era de Aang. São dois personagens diferentes, com jornadas diferentes e em tempos diferentes do mundo, o que em Avatar influencia bastante. Aang era um monge dobrador de ar, uma criança, que descobriu que era Avatar cedo demais, quando ele só queria ser um menino e se divertir. Mas, por viver em tempos de guerra, ele não podia ter paz. Já Korra é uma adolescente que adora ser o Avatar, sempre quis ser essa figura e ama os seus poderes. Ela é uma guerreira que vive em tempos de paz, por isso os seus conflitos são outros. Enquanto Aang aprende sobre responsabilidade e compaixão em um contexto de guerra, Korra amadurece e faz uma jornada de auto conhecimento em tempos de suposta paz (digo suposta porque não é uma grande guerra mundial acontecendo, mas vários vilões com objetivos diferentes). Aang precisa se descobrir como Avatar, enquanto Korra precisa se descobrir além de sua persona como Avatar.

Pensando do ponto de vista de jornada do herói, a narrativa do Aang se encaixa muito mais nesse ponto, enquanto a de Korra remete ao que entendemos da jornada da heroína no aspecto de compreensão interna. Ela precisa se resolver com ela mesma antes de resolver os problemas de fora. Considerando que a protagonista é uma garota adolescente, a mensagem fica ainda mais poderosa, porque muitas garotas passam por um processo similar.

Como a audiência da animação mudou e cresceu, os temas de Korra mudam e ficam mais atuais. Nós vemos outros aspectos das dobras e da tecnologia do mundo, afinal tudo foi deixado em pausa durante a época do Aang, já que tinha uma grande guerra acontecendo e aquilo era a prioridade. E sim, a animação ainda assim trabalhou vários outros assuntos, mas o objetivo final era derrotar a Nação do Fogo e como Aang lidaria com seus princípios em um contexto que era tão contra tudo que ele aprendeu.

Avatar: A Lenda de Aang recebe livros que expandem o universo da série

E que bom que as histórias são diferentes. Por que eu ia querer ver um Aang 2.0? Adoro ele, adoro a história, os personagens, o Zuko é um dos meus personagens preferidos até hoje com um dos melhores arcos que eu já vi, minha gata se chama Katara, eu choro toda a vez que assisto o Livro 3 e sei algumas falas decoradas. Eu amo Avatar, mas eu não preciso ver a história do Aang de novo, ela já existe. Se vamos continuar no universo, então que seja de uma maneira nova, de um ponto de vista novo, com outros conflitos. Que seja com Korra se descobrindo, com desafios completamente diferentes para derrotar.

Acho que também vale mencionar que, infelizmente, parte de Korra foi influenciada pelo boicote da Nickelodeon com a nova animação. E sim, a protagonista ser uma mulher que não era “amável” também não ajudou. Eu sei que todo mundo ama a Toph (inclusive eu), mas ela não era a protagonista, né?

Tudo bem se você prefere uma história com um objetivo mais focado, com um vilão mais específico, com um Avatar aprendendo a dobrar os elementos e um contexto mais épico de guerra. Gosto é gosto, tá tudo certo. E tá tudo bem também ter motivos válidos para criticar Korra, e até Aang. O que é chato nessa história toda é colocar a história de Korra na sombra de Aang, é encarar um gosto pessoal ou uma memória nostálgica como uma régua para determinar que tudo que fica fora disso é uma falha.

Korra e Aang têm histórias diferentes e ainda bem, isso é uma das coisas que torna ambas as jornadas tão interessantes e divertidas.

Sobre o Autor

Escritora, roteirista, blogueira e freelancer. Determination ♡

Visualizar Artigos