Estamos chegando no final da primeira temporada de Lovecraft Country e Rewind 1921 foi um soco no estômago. Um dos melhores episódios e um dos mais difíceis de assistir, muito bem feito e reunindo vários aspectos que foram apresentados e trabalhados ao longo desses episódios. Eu senti falta de um elemento específico, mas no geral Rewind 1921 nos coloca em um caminho tenso para o final e também nos deixa com o coração na mão.

Com Hippolyta (Aunjanue Ellis) no comando, Leti (Jurnee Smollett), Tic (Jonathan Majors) e Montrose (Michael Kenneth Williams) viajam para Tulsa, 1921, em um esforço para salvar Dee (Jada Harris).

Esta crítica não tem spoilers na primeira parte. Quando os spoilers começarem, será avisado.

Review: Lovecraft Country Episode 9, “Rewind 1921”

O episódio começa do ponto que o último terminou, com Dee desacordada depois de ser atacada pelas criaturas mais bizarras que existem em Lovecraft Country. Então não tem jeito, a única forma de lutar contra magia é usando magia, e os protagonistas precisam ir atrás de Christina para ver se ela pode ajudar de alguma forma, mesmo que a ajuda dela sempre venha com um preço, como Letitia já viu em primeira mão.

Senti falta de saber que rumo Ji-Ah tomou. Ela é uma personagem importante, ou foi o que a série fez parecer com todo o episódio dedicado para ela. Vimos que ela voltou para a vida de Atticus. Então onde ela está durante tudo isso? Será que simplesmente foi embora como foi pedido? É uma possibilidade, mas seria uma oportunidade perdida. Afinal, ela também mexe com o sobrenatural e podia ser uma opção mais segura de lidar do que Christina.

Mas mesmo que Ji-Ah não volte, outra personagem aparece: Hippolyta. Com seu novo conhecimento e seus novos poderes, ela pode ajudar a salvar a própria filha. É ótimo que Hippolyta agora pode ser uma pessoa que peite Christina, e qualquer fator sobrenatural, de frente. Ela conseguiu fazer a máquina do tempo funcionar e conseguiu segurar o portal por tempo o suficiente para que todo mundo pudesse ir e voltar sem nenhuma perda. E também temos a chance de ver Ruby cada vez mais seduzida por tudo que Christina tem a oferecer.

Crítica | Lovecraft Country – 01×09: Rewind 1921 | CinePOP

Esse episódio é um grande baque. É forte, intenso e necessário. Lovecraft Country tem cenas bem pesadas, geralmente elas têm algum motivo de estarem expostas dessa forma. Nesse caso, as personagens voltam para a tragédia que aconteceu em 1921. E nesse momento eles não só descobrem verdades escondidas, como algumas personagens precisam encarar coisas que estava evitando a tanto tempo. Tudo fica ainda pior e mais complicado considerando que, caso eles não consigam, Dee provavelmente vai morrer.

Eu gostei de como toda a questão da viagem do tempo foi lidada. Há duas formas de construir uma temática de viagem no tempo: Ações no passado que mudam diretamente o futuro, ou os eventos são impossíveis de serem alterados, porque eles já partem do pressuposto que as pessoas foram ao passado. Pense que o primeiro exemplo é Efeito Borboleta e Life is Strange, enquanto o segundo é Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban ou Game of Thrones. Agora a gente vai ter que ver quais serão as consequências desse episódio, tanto no tempo da série, quanto no psicológico das personagens.

Lovecraft Country não se esconde de apontar o racismo da tragédia de 1921, assim como a homofobia e o abuso que existem dentro de famílias que, supostamente, são seguras. Rewind 1921 é emocionante e difícil de ver, mas faz todo o sentido que esse episódio apareça dessa forma e desse jeito. Agora a série construiu toda uma expectativa e basta ver se eles vão conseguir segurar o nível de tensão para a conclusão desta temporada.

Abaixo comentários com spoilers.

Lovecraft Country 1x09: Episódio intenso e dramático - Caixa de Séries

Bom, então ao que tudo indica, nada que eles façam no passado muda a linha do tempo. Afinal, se fosse o caso, Atticus não conseguiria ter salvado o Montrose jovem. O que significa que, se Letitia considerar a viagem do tempo para salvar Atticus, talvez não funcione. Pode ser que o destino dele esteja selado, como o de Montrose estava em 1921, e como provavelmente é o caso de Dee, que vamos descobrir se é salva ou não só no próximo episódio.

Mas a gente sabe que existe a possibilidade de universos paralelos, porque se não Hyppolita não teria vivido por tanto tempo, nem acumulado tanta experiência. Então pode ser que, mesmo se a linha do tempo não for alterada, eles possam usar as realidades para salvar Atticus. Ou Hyppolita, que ficou mais poderosa que a maioria das personagens (se não todos) pode tentar achar um jeito de alterar a linha do tempo. Se ela disse que eles não deviam fazer nada para mudá-la e isso não faz diferença nenhuma. Então ela ainda não sabe tudo que há para saber sobre como funciona o tempo nessa situação.

O que significa que ela pode procurar em seu conhecimento uma forma de alterar tudo, talvez usando seus próprios poderes. Mas é aquilo, como vimos com Christina, magia tem um preço e costuma ser mais complicada do que a gente gostaria. Talvez Hyppolita possa até salvar todos de um fim inevitável, mas o que será que isso vai custar?

Sobre o Autor

Escritora, roteirista, poledancer nas horas vagas. Determination ♡

Visualizar Artigos