Talvez um dos episódios mais chocantes no sentido gráfico de Lovecraft Country até agora. Strange Case é um episódio que dá espaço para Ruby brilhar, sem esquecer dos pontos principais da história e entregando um dos melhores episódios até o momento.

Depois de fazer uma barganha com William, Ruby entra no lugar encantado de uma mulher branca, mas sua transformação apenas fortalece seu ressentimento com a divisão racial. Uma traição de Montrose desencadeia a raiva reprimida de Atticus, deixando Leti profundamente perturbada e enviando Montrose para os braços reconfortantes de seu amante secreto. 

Como sempre, a primeira parte da sinopse será sem spoilers. Quando os comentários com spoilers começarem, será avisado no texto.

Strange Case“ um olhar estrutural e introspectivo em Lovecraft Country sobre transformação. | by Anderson Martins | Sep, 2020 | Medium

Um dos tropos comuns que a gente encontra em obras de terror é esse mais gráfico, o horror corporal. É muito fácil esse tipo de tropo ficar banal, servindo pelo fator choque. Muitas obras que focam em gore mostram essa facilidade. Mas, felizmente, esse não é o caso de Strange Case em Lovecraft Country. O horror corporal, que envolve o arco de Ruby, é bem colocado e perturbador na medida que se espera desse tipo de tropo.

Mas, para falar melhor disso, é preciso pensar na parte de Ruby como um todo nesse episódio. Parece que um dos momentos que Lovecraft Country mais se destaca é quando abre espaço além da história principal, mesmo que nunca fuja dela. O episódio começa com Ruby, em toda a sua jornada de descobrir o que é estar do lado mais privilegiado da sociedade, estando na pele de uma mulher branca. Eu gosto muito de como Lovecraft Country lida com as diversas camadas de preconceito na sociedade. Ruby sabe que ser mulher e negra é um lugar muito específico na sociedade. Mas o fato de ser mulher não a coloca no mesmo patamar de ser uma mulher branca.

As cenas de horror corporal são muito bem feitas aqui, elas são viscerais como o assunto em si. É cruel ter que vestir outra pele na sociedade para conseguir o respeito e espaço que todas as pessoas deveriam ter. Isso às vezes é uma realidade constante que pessoas LGBTQ+ reconhecem, fingir que são algo que não são. E como a própria Ruby diz, uma mulher negra precisa ser muito melhor que todos os outros para receber o mesmo tipo de reconhecimento, um que ela talvez nunca receba.

Lovecraft Country Episode 5: 12 Easter Eggs And References In 'Strange Case' - GameSpot

Esse episódio, como é dito literalmente em certo momento, dá espaço para Ruby fazer o que bem entende. E nisso, ela vê o que ela já conhece de outro ponto de vista, mas também descobre coisas completamente novas, como a própria magia e que certas coisas não são o que ela esperava, incluindo ela quando se aproveita dessa magia.

As transformações e metamorfoses não estão só de maneira óbvia como no arco da Ruby, mas elas também aparecem em outras personagens. O próprio Montrose, que foi mostrado como antagonista dos desejos de Atticus até agora (e ainda é), foi mostrado em uma luz diferente nesse episódio. Como alguém que apesar de ser difícil, e tomar decisões que nem sempre entendemos e não ajudam, é uma pessoa que também tem suas próprias inseguranças, que pode ser sensível e que ama, mesmo que demore para admitir.

A relação de Atticus e Letitia continua a se desenvolver, e o foco das duas personagens nesse episódio foi tentar chegar mais perto da verdade da herança de Atticus e toda a magia que está rolando. Pelo jeito que terminou esse episódio, é provável que teremos algumas respostas importantes em um futuro próximo, mas talvez elas não sejam exatamente o que Atticus gostaria de ouvir.

Com algumas temáticas e cenas pesadas, Strange Case é um dos episódios mais impactantes da temporada até agora. Ele não avança nos assuntos principais, ou pelo menos não do jeito que esperaríamos, mas faz revelações importantes e dá espaço para uma personagem que ainda não tinha conseguido uma chance de brilhar como as outras: Ruby.

A partir daqui, comentários com spoilers.

Recap: LOVECRAFT COUNTRY S1E5 — "Strange Case" - The Beat

Lovecraft Country não tem medo de falar de preconceitos e relações de poder. Os acontecimentos desse episódio ainda não justificam a transfobia do último, mas pelo menos nos mostra mais diversidade. Além disso, muitas intersecções de questões sociais são mostradas com Ruby. O jeito que ela age na pele de uma mulher branca, tendo poder em relação a uma mulher negra e sendo vista de forma diferente, mostra muito como as relações de poder acontecem, e como realmente mudar de posição pode nos mudar mais do que gostaríamos.

Eu também acho que vale pensarmos um pouco sobre a cena de estupro. Infelizmente, estupro é algo muito usado em obras de terror, e eu particularmente não encontro muitas situações em que acho que a cena não passa de certos limites. Eu tenho sentimentos mistos quanto a cena desse episódio. Ruby agride o seu “novo chefe” com o salto de seu sapato, depois de seduzí-lo para conseguir atraí-lo para onde ela quer. E a cena é bem violenta, não tanto quanto várias outras que já existiram, mas ainda é forte e vale um aviso de gatilho para quem for assistir.

Essa cena mostra Ruby se vingando de uma frustração que ela tem há muito tempo, que a gota d’água foi ver como Tamara era tratada no emprego. E é um excelente exemplo para mostrar como estupro é sobre poder, não qualquer outra coisa que muitas vezes somos levados a pensar. Eu não sei se eu, pessoalmente, teria escolhido mostrar a cena assim, mas eu entendo que existiu um motivo para ela estar ali. Não é a mesma coisa do que os estupros que vemos em Game of Thrones, por exemplo, porque as relações de poder são diferentes e as simbologias da narrativa também. Ainda assim, não é uma cena fácil de ver, assim como outras no episódio.

Sobre o Autor

Escritora, roteirista, poledancer nas horas vagas. Determination ♡

Visualizar Artigos