Nós ainda estamos falando de She-Ra e as Princesas do Poder? Sim! Hoje podia ser um “ship da semana”, que nem no primeiro ano do site. Inclusive, na época, falamos de Felidora, quando só tinha uma temporada, muita coisa para acontecer e não sabíamos o que seria canon ou não. Mas agora sabemos e podemos analisar melhor a construção desse ship maravilhoso!

Aqui no site já fizemos textos específicos sobre a Felina e a Adora.

Este texto terá spoilers de todas as temporadas She-Ra e as Princesas do Poder.

CATRADORA KISS - YouTube

Felidora, o ship entre Felina e Adora, começou desde a primeira temporada. Não dá para ver um episódio de baile, com as duas dançando, sem shipar, ainda mais considerando que Noelle Stevenson sempre colocou personagens LGBTQ+ em suas obras. Havia chances de um dia ser canon. Mas nós acompanhamos, em todas essas temporadas, que a relação entre Felina e Adora teve seus altos e baixos. A pergunta era se os baixos chegariam ao ponto de destruir a possibilidade de ship.

Felina e Adora serviram a Horda juntas e ambas tiveram seus próprios desafios nessa fase de suas vidas. Por mais que a Horda nunca tenha sido o melhor lugar do mundo para Adora, era evidente que o tratamento que ela e Felina recebiam era diferente. Mas, apesar disso, ambas tinham uma amizade muito forte e que, por conta de tudo que Adora descobriu sobre She-Ra, acabou sendo quebrada.

Por mais que tivéssemos momentos de ship, como a dança do baile, a medida que as temporadas foram passando, percebemos que, quanto mais Adora tentava ajudar Felina, mais ela era rejeitada. Até que chega o momento em que Adora decide que não vai se afundar por uma pessoa que não quer ser ajudada, e ela estava certíssima. Por mais que ela se importasse com a Felina, era a própria que devia decidir mudar e tomar outro caminho.

Dinâmicas de ship do tropo “inimigos para amantes” são muito divertidas (eu particularmente amo), mas também são muito fáceis de estragar. A relação pode virar facilmente algo que romantize elementos abusivos. Isso também pode envolver um personagem “bonzinho” que está sempre arcando com os problemas do mais “malvado”, em uma relação que não é recíproca e vira mais uma pessoa sendo “coach” da outra. Ou vemos o estereótipo de “a pessoa é vilã, mas amor pode salvá-la” o que já é algo muito complicado, ainda mais quando o vilão em questão é um homem.

Entre a terceira e a quarta temporada, eu achei que Felidora, se fosse canon, pudesse caminhar nesse sentido. Uma relação em que Adora acaba virando “coach” da Felina sobre ser uma pessoa melhor, sem reciprocidade e lidando com coisas que não seriam saudáveis. Afinal, nós vimos que Felina estava se tornando uma pessoa difícil com muitos ao seu redor, inclusive Scorpia. Ser “coach” é diferente de ajudar alguém com quem você se importa, sendo um dos limites o quanto isso afeta e machuca a pessoa que está tentando ajudar.

She-Ra Fans Think They've Found Noelle Stevenson's Secret Fanfiction

A maneira de lidar com Felidora canon, sendo bom para ambas as personagens e seus arcos, seria Felina passar por uma redenção e Adora aprender que ela não pode colocar todo mundo na frente de seu bem estar, que é exatamente o que acontece. A ação de mudar vem primeiramente de Felina, depois de tantas coisas que passou nas outras temporadas e percebeu como estava fazendo mal para si e para os outros. Adora vai ajudá-la e o que se forma entre elas não é algo unilateral. Elas eram amigas, se davam bem, tiveram problemas e conseguiram se encontrar de uma forma que fizesse sentido para as duas.

Noelle Stevenson falou em entrevistas algumas coisas sobre o relacionamento das duas:

“Mesmo estando junto da minha esposa, havia momentos em que parecia que o nosso relacionamento não era viável nem saudável para nós. Mas por causa da conexão que tínhamos uma com a outra, nós trabalhamos muito para chegar em um lugar que funcionasse. Isso é uma relação que eu nunca vi entre duas personagens femininas que são as protagonistas da história.”

Relacionamentos são complexos, não são perfeitos e nem tudo são flores. Pessoas erram e podem amadurecer, o que vai determinar as mudanças são suas próprias escolhas, que é o que vemos com Felidora. Na cultura pop, relacionamentos entre mulheres é pouco representado e muitos deles não são nem um pouco saudáveis (quantos casais entre mulheres vocês conhecem com final feliz?). Por isso, em algumas histórias independentes e alternativas, os relacionamentos entre mulheres são muito mais “coração quentinho”. E nós definitivamente precisamos dessas representações, todo o tipo de casal precisa de um modelo saudável, sem grandes problemas e que é só amorzinho, até porque pensando em personagens LGBTQ+, eles são raros. Mas eu acho que Noelle foi muito certeira em apostar em um relacionamento entre duas personagens femininas, protagonistas da história, que mostra que relacionamentos são complexos e, mesmo com baixos, eles podem funcionar se as pessoas estiverem dispostas. Não só isso, mas também se assumirem responsabilidade sobre os seus atos.

Acho que Felidora é um grande passo de representação LGBTQ+ de um casal que a jornada não foi perfeita, mas deu tudo certo mesmo assim por inúmeros motivos. Precisamos de casais LGBTQ+ de todos os tipos e representações saudáveis, mesmo sendo complexas.

 

Sobre o Autor

Escritora, roteirista, blogueira e freelancer. Determination ♡

Visualizar Artigos