CALMA! Eu sei o que você está pensando. Por favor, leia o texto antes de qualquer coisa, tá?

Jessica Jones vai voltar com sua segunda temporada amanhã na Netflix. Atualmente, é uma das séries que eu mais gosto, com inúmeras mensagens relevantes, personagens incríveis e uma história que se mantém consistente por boa parte do seriado.

Mas eu não estou aqui para falar da série em si. Vocês já estão acostumados com a coluna, então sabem que eu vou focar no ship. Sim, dessa vez é um ship que algumas pessoas curtiram na época do seriado, Jessica Jones e Killgrave.

Como sempre, o texto terá spoilers da série. Não, eu não vou falar dos quadrinhos porque não li.

Enquanto vamos assistindo os episódios, descobrimos que Jessica e Killgrave costumavam ter um relacionamento. O problema é que não dá para chamar o que eles tinham um relacionamento, não é? Killgrave tem o poder de fazer as pessoas agirem da forma que ele quiser. As ordens que ele dá sempre são obedecidas. Por mais que Jessica seja muito forte, não tem como ela escapar de um poder desses, ninguém consegue.

Como Killgrave queria ficar com ela, todas as suas frases acabavam forçando-a a ficar naquele relacionamento. Veja, quando alguém está te controlando, não existe escolha. Jessica sabe disso, em dado momento ela mesma pontua que Killgrave a estuprou, afinal de contas, ele queria as relações e ela não tinha como dizer não. Ela não tinha como consentir.

Acho que já deu para entender que eu não shippo, né? Como vocês já viram no caso de Reylo, nem sempre nós falamos de casal que gostamos, às vezes falamos daqueles que são problemáticos. Já que Jessica Jones vai voltar, e o Dia da Mulher está aí, nada mais justo do que usar essa coluna para falar um pouco sobre relacionamentos abusivos.

Há uns anos eu escrevi sobre o assunto, sobre como a relação entre os dois mostrava o que podia ser um relacionamento abusivo. Tire os poderes da conta e vemos uma relação que, infelizmente, é fácil de ser encontrada.

Killgrave sabe perfeitamente de seu poder, de como ele consegue manipular Jessica e todos ao seu redor. Ele se aproveita disso. Na cabeça dele, não há nada demais no que ele faz, afinal ele ama Jessica e acredita saber o que é melhor para ela. O problema é que, nesse processo, ignora completamente o consentimento da outra parte. Não tem como um relacionamento saudável ser construído vindo dessa premissa.

Jessica é uma das mulheres mais fortes dos quadrinhos, mas mesmo ela sofre e passa por isso. Eu sempre achei interessante isso na história, porque mostra que qualquer mulher, mesmo as que são vistas como “mais fortes”, podem passar por isso. Entrar em um relacionamento abusivo não tem a ver com ser forte ou não, tem a ver com uma série de fatores e situações que levam a isso. Uma mulher não é definida por um relacionamento abusivo, afinal de contas, como vemos na série, ela está sendo manipulada.

Não satisfeito, quando Jessica consegue se livrar da situação, Killgrave começa a agir de várias formas ao seu redor. Quando percebeu que não era mais capaz de manipulá-la diretamente, ele começou a tentar controlar as coisas perto dela. Isso afetou o trabalho de Jessica, sua vida pessoal, etc. Porque quando a pessoa manipuladora não tem mais poder, ela tenta controlar o que os outros pensam de quem eles querem controlar. É exatamente isso que Killgrave faz, forçando Jessica em situações mesmo depois que eles terminaram o relacionamento.

A série apresenta o passado do vilão, mas não passa a mão na cabeça de Killgrave. Por mais que ele tenha sofrido no passado, isso serve para deixar o personagem complexo, não para perdoar suas ações. É exatamente isso que Jessica faz, ela não perdoa, porque independente de qualquer coisa, aquilo é sobre o que ele fez com ela.

Eu acho o Killgrave um excelente vilão para essa história, ele cumpre seu papel na narrativa e a atuação na série é excelente. Mas isso não quer dizer que o personagem é uma pessoa boa. Encarar essas dificuldades, manipulações e brigas como algo romântico é algo a se questionar.

Desde sempre, nos vendem uma ideia de que o homem é “coitado”, que precisa ser compreendido e amado. Aprendemos que essas agressões vindo deles podem até ser românticas. Afinal, coitado do Killgrave, que não tem controle de seus poderes (/sarcasmo). Poderíamos entender tudo isso como algo que ele faz acreditando que é o melhor para ela. Mas nada disso é desculpa. Em um relacionamento, todas as pessoas envolvidas devem ser levadas em consideração e respeitadas, se não abre espaço para abuso, que é exatamente o caso.

Romantizar o casal é muito perigoso, porque passa a mensagem de que esses comportamentos de Killgrave são aceitáveis. Não são, como a série deixa óbvio o tempo todo. Caso o assunto volte na segunda temporada, espero que a postura da história não mude.